CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

MARIDINHO DE LUXO, 1938, Rio de Janeiro, RJ.

SOBRE O FILME

Maria Amaro

 

SINOPSE:Garota mimada e riquíssima, filha de um comendador bonachão, resolve se casar de uma maneira diferente, comprando um marido, para fazer deste o que bem entenda. O escolhido aceita a situação inicialmente, mas se rebela, causando a indignação da moça. Os dois acabam se apaixonando de verdade no final.

FICHA TÉCNICA: prd: Adhemar Gonzaga; dir, rot, edi e dar: Luiz de Barros; arg: baseado na peça teatral Compra-se um marido, de José Wanderley; fot: Afrodísio de Castro; som: Hélio Barrozo Netto; maq: Diva de Assis; pnt: João Bráulio; cen e mtg: Alcebíades Monteiro Filho e Alceu Rodrigues; dim: Ernani Amorim; mus: Cangaceiro chegou: Alberto Ribeiro e L.Teixeira, com Linda Batista; cpr, est e lab: Cinédia; dis: D.F.B. – Distribuidora de Filmes Brasileiros; p&b, 35mm, gen: comédia.

ELENCO: Mesquitinha, Maria Amaro, Rodolfo Mayer, Oscar Soares, Maria Lino, Bandeira Duarte, Carlos Ruel, Carlos Barbosa, Lúcia Lamour, Anna de Alencar, Cândido Botelho, Arnaldo Coutinho, Fada Santoro, Augusto Anibal, Álvaro Augusto, Duarte de Morais, Grijó Sobrinho, Paulo Stuart, Manoelino Teixeira, Manoel Rocha, Maria Lisboa, Chocolate, Júlio Penha, Linda Batista e Orquestra do Cassino da Urca.

COMENTÁRIOS: A história foi refilmada em 1957 com o titulo Hoje o galo sou eu, dirigida por Aloísio T.Carvalho, versão muito inferior a esta original. “Wallace Downey não foi apenas o introdutor do musicalcarnavalesco, chanchada ou a forma que quiserem classificar este modelo de cinema. A ele também devemos a teatralização de peças que estivessem fazendo sucesso na Praça Tiradentes. A teorização era irrepreensível. Se, num teatro do Rio de Janeiro, ela tem resposta popular e viajar com ela seria anti-econômico pelos custos do transporte dos técnicos, intérpretes e cenografia, o aconselhável era filmar. Dessa maneira, qualquer habitante do Acre poderia vê-la, com bilheteria assegurada. Na prática, a fórmula nunca deu certo, certamente porque a versão cinematográfica era sempre tecnicamente inferior a qualquer coisa praticada, tanto no Carlos Gomes do Rio, como no Boa Vista de São Paulo. Garoto imberbe representado no palco por atriz é tolerável. Vide Cacilda Becker em Pega fogo. Mas, quando Duvivier filmou Poil de Carotte o intérprete era realmente um ator juvenil. Aceitar Mesquitinha como Adônis, na Praça Tiradentes, podia ser tolerado, mas no cinema, nunca. O ano desta produção é 1937, exatamente o ano em que Cupido é moleque teimoso, com Cary Grant e Irene Dunne ganhava o Oscar de melhor filme. O argumento tem várias aproximações, principalmente o sexo reprimido, apesar dos dois pares estarem regularmente casados. Infelizmente para o Cinema Brasileiro, a teoria, na prática, era outra.“ – comentário do professor Máximo Barro. 

FONTE: DICIONÁRIO DE FILMES BRASILEIROS – Antônio Leão da Silva Neto (fop: a-24)

SITUAÇÃO DO FILME: EM DOMÍNIO PÚBLICO

O  filme Maridinho de Luxo foi lançado em 8 de agosto de 1938 no Cine Odeon, no Rio de Janeiro e entrou em domínio publico em 01/01/2009, conforme lei de direitos autorais no Brasil que estabelece que passados 70 anos de sua primeira exibição pública, a obra cinematográfica entra em domínio público no primeiro dia do ano seguinte. Conforme recortes abaixo publicado no Correio da Manhã (RJ), nos dias 04/081938 e 10/08/1938 ambos na na página 8 de cada edição.

 

Domínio público é uma condição jurídica na qual uma obra não possui o elemento do direito real ou de propriedade que tem o direito autoral, não havendo, assim, restrição de uso de uma obra por qualquer um que queira utilizá-la.

HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA

DIRETOR

Luiz de Barros (1893-1981) foi um Diretor, produtor, roteirista, diretor de fotografia, montador, cenógrafo e ator brasileiro. Nasceu em 12 de setembro de 1893 na cidade do Rio de Janeiro. Começou dirigindo peças de teatro e shows em cassinos. Acumulando funções de diretor, produtor e técnico, realizou mais de 60 filmes mudos e falados, entre comédias carnavalescas, chanchadas, documentários, filmes militares, dramas e adaptações de peças e obras literárias, incluindo-se aí Ubirajara (1919), de José de Alencar, e O cortiço (1945), de Aluísio Azevedo.

Para ler a biografia completa acesse o site História do Cinema Brasileiro.

 

FILMOGRAFIA

Playlist do Diretor com os filmes disponibilizados no Youtube.

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

PATROCÍNIO

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.