Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

BRASA DORMIDA, 1928, Cataguases, MG.

SOBRE O FILME

 

 

SINOPSE: O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

FICHA TÉCNICA: prd: Agenor Cortes de Barros; pra: Homero Cortes Domingues; dir, arg, rot, mtg e cen: Humberto Mauro; gep: Antenor Cortes Barros; fot: Edgar Brasil; cam: Pascoal Ciodaro; let: Sílvio de Figueiredo; loc: Cataguases e Rio de Janeiro; cpr: Phebo Brasil Filme; dis: Universal Pictures do Brasil; lab: Benedetti Filme; p&b, 35mm, 120 min, gen: drama.

ELENCO: Nita Ney, Luiz Soroa, Máximo Serrano, Pedro Fantol, Rozendo Franco, Côrte Real, Pascoal Ciodaro, Haroldo Mauro, Juca de Godoy. 

FONTE: DICIONÁRIO DE FILMES BRASILEIROS – Antônio Leão da Silva Neto

 

 

 

SITUAÇÃO DO FILME: EM DOMÍNIO PÚBLICO

O  filme Braza Dormida entrou em domínio publico em 01/01/2000, conforme lei de direitos autorais no Brasil que estabelece que passados 70 anos de sua primeira exibição pública, a obra cinematográfica entra em domínio público no primeiro dia do ano seguinte. Conforme recorte abaixo o filme teve seu lançamento registrado em anúncio de primeira exibição publicado em 23/02/1929 no jornal do Correio da Manhã (RJ).

Domínio público é uma condição jurídica na qual uma obra não possui o elemento do direito real ou de propriedade que tem o direito autoral, não havendo, assim, restrição de uso de uma obra por qualquer um que queira utilizá-la.

HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA

Notícias sobre o filme publicadas nos jornais disponíveis na Biblioteca Nacional.

 

Seleção de matérias sobre o filme, clique no link, procure na página o título da matéria listado abaixo.

  • Em construção

Esta cronologia não contém todo o conteúdo disponibilizado nos jornais. Em caso de necessidade de mais informações, consulte a Hemeroteca Digital Brasileira e boa pesquisa.

DIRETOR

Humberto Duarte Mauro, em arte mais conhecido como Humberto Mauro, foi um cineasta, produtor e diretor de fotografia brasileiro nascido em Volta Grande (MG) em 30 de abril de 1897. Tem uma importância singular no cenário cinematográfico nacional. É considerado o mais brasileiro dos cineastas brasileiros e por todos respeitado. Segundo o crítico e pesquisador Paulo Emílio Salles GomesHumberto Mauro é a primeira personalidade de primeiro plano revelada pelo cinema brasileiro.

Para ler uma biografia detalhada de Silvino Santos acesse o site História do Cinema Brasileiro.

 

FILMOGRAFIA

Playlist do Diretor com os filmes disponibilizados no Youtube.

Humberto Mauro entrevistado por David Neves e Alex Viany (1977)

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.

Aitaré da Praia (Gentil Roiz – 1925) – Aventura

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

AITARÉ DA PRAIA, 1925, Recife, PE.

A Cinemateca Popular Brasileira disponibiliza no portal filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores de direitos autorais. 

SOBRE O FILME

 

SINOPSE:  Aitaré, pescador, namora Cora, uma moça da localidade. Provocado, Aitaré briga com Traíra, amigo de Zeno, um marginal que vive na praia. A família de Cora reprova seu namoro com Aitaré. Num dia tempestuoso, Aitaré resolve ir mar adentro com sua jangada para não perder suas redes colocadas no mar. Cora fica apreensiva, mas Aitaré retorna com dois náufragos, o rico Coronel Felipe Rosa e sua filha Glória. Pai e filha ficam hospedados na casa de Cora, até que possam retornar à cidade. Na primeira oportunidade, Aitaré acompanha o Coronel e sua filha na viagem, e Cora fica enciumada. Cora e sua família resolvem ir embora. Quando retorna e não encontra mais seu amor, Aitaré também vai para a cidade procurar o Coronel Felipe. Após cinco anos, Aitaré reencontra Cora na cidade e após algumas hesitações, reconciliam-se.

FICHA TÉCNICA: prd: Joaquim Tavares; dir: Gentil Roiz; arg e rot: Ary Severo; fot: Edson Chagas; cpr: Aurora Filme e Liberdade Filmes; p&b, 35mm, gen: aventura.

ELENCO:Ary Severo, Jota Soares, Almery Steves, Amália de Souza, Rilda Fernandes, Cláudio José, Tito Severo, Luiz Marques, Antônio Campos, José Amaro, Queiroz Coutinho, Pedro Neves, Mário Lima, Rosa Temporal, Valderez de Souza, Mário Freitas Cardoso, Adelmar Tavares, Rilda Fernandes.

LANÇAMENTO: dezembro de 1925 – 31/12/1925 – data atribuída para uso no catálogo geral.

COMENTÁRIOS: Resumo a partir da cópia, depositada na Cinemateca Brasileira. (fop: d-20)

FONTE: DICIONÁRIO DE FILMES BRASILEIROS – Antônio Leão da Silva Neto

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.

Veneza Americana (Bezerra Leite 1924) – Drama

Veneza Americana (Bezerra Leite 1924) – Drama

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

VENEZA AMERICANA, 1924, Recife, PE.

SOBRE O FILME

 

 

SINOPSE: O desenvolvimento que alcançou a cidade do Recife no segundo aniversário da administração de Sergio Lorêto, governador do Estado. Aspectos do porto de Recife que esteve até abril de 1922 sob a responsabilidade da Societé de Construction du Port de Pernambuco, passando então à dependência direta do Estado. Detalhes dos armazéns, alguns ainda em construção, e do cais, capacitado para receber navios como o Ayuruoca, do Lloyd Brasileiro, e o transatlântico Gelria, do Lloyd real Hollandez. A convite do sr. Julio von Sohsten, agente da empresa holandesa, o governador e comitiva, da qual faz parte o administrador das Docas, cel. Francisco Thaumaturgo Faria, visitam o navio, sendo recebidos pelo seu comandante, sr. Kolkman. O trabalho nas pedreiras de Comportas, de onde são extraídas as pedras para os trabalhos do porto e transportadas através de ferrovia com extensão de 21km até Recife. Os guindastes Bardeur e Titan em atividade. O quebra-mar, o entrocamento de proteção dos istmos de Olinda e a ponte giratória. Em 20 de outubro de 1924, no segundo aniversário do governo, são inaugurados os armazéns 9 e 10. Discursam o governador e o dr. Mario Castilhos do Espirito Santo, engenheiro-civil, diretor das obras complementares do Porto. O armazenamento de mercadorias trazidas pelos navios da Companhia Nacional de Navegação Costeira, como o Itapuca, e do Lloyd Brasileiro, como o Alegrete. Os auxiliares na administração das Docas, José Alves Villela e Astor Nina de Carvalho. O movimento de carroças e automóveis no porto. Também no dia 20 de outubro é inaugurada a estrada para autos na avenida Beira Mar, ainda em construção, a avenida Ligação e o serviço de bondes até a Ilha do Pina. O governador e comitiva, ao lado do dr. Arthur Smith, superintendente da Pernambuco Tramways, e do dr. Carlos Machado, diretor da Tramways e da Great Western tomam um dos novos bondes para a linha de Boa Viagem na avenida Alfredo Lisbôa. A ponte metálica que liga o continente à Ilha do Pina, onde as autoridades e convidados seguem em automóveis até Boa Viagem, onde é servido um “lunch” a todos os presentes. O organizador do serviço de transportes e da festa, dr. Liberato Gomide, secretaria a Administração das Obras do Porto. Aspectos da Avenida de Ligação, Entrocamento e Beira-Mar e da praia de Boa Viagem. Enquanto não fica pronta a linha até Boa Viagem, os bondes fazem serviço nas linhas urbanas. O quartel da polícia em construção no Derby. O cel. João Nunes comandante das forças estaduais. O Corpo de Bombeiros em exercício, com carro, carroça e escada retrátil. Pernambuco e sua Exposição em 1924: recinto enfeitado no Derby, parque de diversões com os brinquedos roda-gigante (Big Eli Wheel), carrossel, túnel do amor, etc. Espécimes de gado bovino de propriedade do cel. Alberto Lundgreen e uma égua do sr. João Chagas. O desfile dos animais premiados é assistido pelo governador e pelo arcebispo d. Miguel Valverde. Sorteio dos prêmios da Exposição, em 15 de novembro, pagos pelo tesoureiro, cel. Alfredo Ozório. No dia 15 de janeiro de 1925, chega à cidade a bordo do Andes o vice-presidente da República, dr. Estacio Coimbra, e o conde Ernesto Pereira Carneiro.

FICHA TÉCNICA: cpr: Pernambuco Film; pdr: Cambieri, J.; Falangola, Ugo; p&b, 35mm, gen: documentário.

ELENCO: Loreto, Sérgio Sohsten, Júlio von Faria, Francisco Thaumaturgo Kolkman Santo, Mário Castilhos do Espirito Villela, José Alves Carvalho, Astor Nina de Machado, Carlos Gomide, Liberato Nunes, João Lundgreen, Alberto Chagas, João Valverde, Miguel de Lima Osório, Alfredo Carneiro, Ernesto Pereira.

FONTE: CINEMATECA BRASILEIRA – http://bases.cinemateca.gov.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/?IsisScript=iah/iah.xis&base=FILMOGRAFIA&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=ID=002705&format=detailed.pft

SITUAÇÃO DO FILME: EM DOMÍNIO PÚBLICO

O  filme Veneza Americana, também conhecido por Os Encantos da Veneza Americana entrou em domínio publico em 01/01/1995, conforme lei de direitos autorais no Brasil que estabelece que passados 70 anos de sua primeira exibição pública, a obra cinematográfica entra em domínio público no primeiro dia do ano seguinte. Conforme indicado no próprio filme que reproduz matéria publicada em 06/12/1924 no jornal Diário da Noite (PE) elogiando a apresentação, sendo exibido no ano seguinte em abril e maio no Rio de Janeiro.


Domínio público é uma condição jurídica na qual uma obra não possui o elemento do direito real ou de propriedade que tem o direito autoral, não havendo, assim, restrição de uso de uma obra por qualquer um que queira utilizá-la.

HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA

Notícias sobre o filme publicadas nos jornais disponíveis na Biblioteca Nacional.

Seleção de matérias sobre o filme, clique no link, procure na página o título da matéria listado abaixo.

Esta cronologia não contém todo o conteúdo disponibilizado nos jornais. Em caso de necessidade de mais informações, consulte a Hemeroteca Digital Brasileira e boa pesquisa.

DIRETOR

Bezerra Leite

Não foi encontrado informação sistematizada sobre o diretor.

BEZERRA LEITE

FILMOGRAFIA

Playlist do Diretor com os filmes disponibilizados no Youtube.

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

CANÇÃO DA PRIMAVERA, 1923, Belo Horizonte, MG.

SOBRE O FILME

 

 

SINOPSE: Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

FICHA TÉCNICA: prd: Igino Bonfioli e Odilardo Costa; dir: Igino Bonfioli e Ségur Cyprien; arg e rot: Anibal Mattos, baseado na comédia teatral homônima de sua autoria; fot: Igino Bonfioli; cen: Igino Bonfioli e Anibal Mattos; loc: Arredores de Belo Horizonte, BH, numa chácara do bairro Floresta; cpr: Bonfioli Filmes; colorido, 35mm, 88 min, gen: aventura.

ELENCO: Ari de Castro Vianna, Lucinda Barreto, Naná Andrade, Clementino Dotti, Nina Gomes, Alberto Gomes, Nana Tacchi, Odilardo Costa, Iracema Aleixo, Osíris Colombo e atores do Theatro Pequeno de Belo Horizonte.

COMENTÁRIOS: resumo a partir da cópia, depositada na Cinemateca Brasileira; filme colorizado com anilinas, talvez a primeira experiência de cores no Cinema Brasileiro.

FONTE: DICIONÁRIO DE FILMES BRASILEIROS – Antônio Leão da Silva Neto

 

 

SITUAÇÃO DO FILME: EM DOMÍNIO PÚBLICO

O  filme Canção da Primavera entrou em domínio publico em 01/01/1994, conforme lei de direitos autorais no Brasil que estabelece que passados 70 anos de sua primeira exibição pública, a obra cinematográfica entra em domínio público no primeiro dia do ano seguinte. Conforme recorte abaixo o filme teve seu lançamento registrado em anúncio de exibição publicado em 11/07/1923 no Gazeta de Notícias (RJ).


Domínio público é uma condição jurídica na qual uma obra não possui o elemento do direito real ou de propriedade que tem o direito autoral, não havendo, assim, restrição de uso de uma obra por qualquer um que queira utilizá-la.

HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA

Notícias sobre o filme publicadas nos jornais disponíveis na Biblioteca Nacional.

Seleção de matérias sobre o filme, clique no link, procure na página o título da matéria listado abaixo.

Esta cronologia não contém todo o conteúdo disponibilizado nos jornais. Em caso de necessidade de mais informações, consulte a Hemeroteca Digital Brasileira e boa pesquisa.

DIRETOR

Igino Bonfioli foi um cineasta, diretor de fotografia e fotógrafo italiano nascido em Negrar, um vilarejo da província de Verona, na Itália, no dia 11 de dezembro de 1886. Chegou ao Brasil em outubro de 1897, tendo emigrado com sua família com sua família, com 11 anos de idade, para morar em São Paulo, onde começou a trabalhar como ajudante de torneiro. Em 1904, mudou-se para Belo Horizonte, foi um dos pioneiros do cinema em Minas Gerais.

Para ler a biografia completa acesse o site História do Cinema Brasileiro.

 

FILMOGRAFIA

Playlist do Diretor com os filmes disponibilizados no Youtube.

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.

A Sociedade Anônima Fábrica Votorantim (Armando Pamplona 1922) – Documentário

A Sociedade Anônima Fábrica Votorantim (Armando Pamplona 1922) – Documentário

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

A SOCIEDADE ANONYMA FABRICA VOTORANTIM, 1922, Votorantim, SP.

A Cinemateca Popular Brasileira disponibiliza no portal filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores de direitos autorais. 

SOBRE O FILME

 

 

SINOPSE: 1ª parte: O desenvolvimento da indústria deve-se ao “notável industrial” Sr. Antonio Pereira Inácio. A produção mensal da fábrica é superior a 2 milhões de metros de tecido; em 1922 atingiu 18.364.215m – Vista geral da fábrica, da estrada de ferro elétrica entre Sorocaba e Votorantim inaugurada em 4.2.1922. A eletrificação do trecho que vai a Votorantim, Itupararanga e Serraria onde estão localizadas as pedreiras calcárias, jazidas de mármore e os fornos de cal. Estação Paula Souza da E. F. na saída de Sorocaba; demonstração da eletrificação da estrada de Sorocaba e Votorantim. Em operação: carregamento de madeira partindo de Votorantim.

2ª parte: Ramal da estrada de ferro para a represa. Vistas da cachoeira, represa, do canal, dos tubos condutores de água para as turbinas; vista da usina elétrica (exterior e interior). Grupo de operários à espera do trem e embarque na parada Carrapatos. Entrada dos operários na fábrica e saída para almoço; chegada das cestas com refeições para almoço. Saída da primeira turma e regresso dos residentes em Sorocaba. Entrada da segunda turma. Vista geral da fábrica; três aspectos da seção de fiação: sala da mistura de algodão, abridores de fardos-transportadores, batedores.

3ª parte: Ainda a seção de fiação. São apresentadas as cardas e passadores. Sala de penteadeiras, passadores e massaroqueiras. Sala das remetedeiras, preparação para a tecelagem. Máquinas urdideiras. Caixas de preparação de goma para o fio. Seção de preparação da tecelagem: engomadeiras, fabricação de liços e pentes. Máquinas de fazer cordas. Vista de uma das salas de teares. O total de teares é de 1300 com duas turmas de operários trabalhando.

4ª parte: Seção de tecelagem: sala de medição e dobragem do pano; sala de pano cru com calandras d’água para lavagem do pano e autoclaves. Seção de alvejaria. Sala de secagem do pano branco com as alargadeiras e torquiadeiras. Sala do almoxarifado: máquinas para lavar, engomar e secar os morins. Seção de morim: preparação das peças para exportação, máquinas para estampar detalhes e sala de vaporização.

5ª parte: Seção de flanelas: máquinas de flanelar. Seção de gravuras: moletagem dos desenhos e preparação dos rolos pelo sistema do pantógrafo; preparação dos rolos para estamparia; gravura dos rolos para estamparia. Seção de enfardamento e expedição. Exportação de tecidos. Vista da bateria de caldeiras e do depósito de combustível. Machado mecânico para abrir toros (made in Brasil). Oficina mecânica: tornos. Ferraria: forja e martelete hidráulico em funcionamento. Vista externa e interna da fundição: modelagem de peças. Britadores.

6ª parte: Serraria: toras e tábuas, serras circulares e plainas. Fábrica de tijolos e telhas para a construção da vila operária. Vista da máquina de fazer blocos. Panorama das casas dos bairros da vila e novas edificações. Um outro bairro da vila operária. As casas antigas da vila. Um sobrado de construção especial, em blocos, para habitação de operários.

7ª parte: Uma casa operária feita de blocos. A prática de esportes pelos operários: o campo de futebol e a quadra de tênis da vila. Vista de algumas residências dos mestres. Casa da gerência da S.A. Votorantim. O gerente e a família. Edifício do escritório da fábrica em Votorantim, vendo-se o presidente Sr. A. Pereira Inácio, o Sr. Com. João Reynaldo em companhia do Sr. Tarcísio Nascimento, gerente da fábrica, engenheiros, ajudantes e mestres. Culto religioso: a Igreja de S. João Batista, construída pela S.A. Votorantim e a Igreja Presbiteriana. Grupo escolar para os filhos dos operários; o corpo docente. Diversões: o elegante teatro da empresa. Vista do armazém e da farmácia. Consultório e sala de operações. Vista da padaria mecânica. Vista do açougue. Organização esportiva: a sede do Esporte Clube Savoia, dos operários da fábrica. Trecho do ramal férreo para as caieiras de Itupararanga onde se vê o preparo do leito para a próxima eletrificação.

8ª parte: Vista geral das caieiras de Itupararanga. Chegada do Sr. Pereira Inácio; o presidente da Votorantim Dr. Almeida. Vistas dos fornos de cal. Ramal férreo para as pedreiras, vendo-se a grande represa da Light. Vista das pedreiras, vendo-se os operários preparando uma mina e posterior explosão. Transporte das pedras calcárias para o forno. Fazenda São Francisco de propriedade da S.A. Votorantim. Panorama da fazenda; o pátio da colônia, vendo-se ao longe a residência do administrador; vista geral da mangueira e muares para o serviço da fazenda; boiadas e campeiros da fazenda; mangueira grande das vacas leiteiras; embarque de leite para o fornecimento à Vila Votorantim; criação de porcos; os chiqueiros modernos, cimentados, para criar leitões; lavoura de algodão; canavial.

9ª parte: Engenho de aguardente e açúcar; moinho de fubá. Fábrica de cimento Rodovalho da Votorantim; panorama da fábrica; aspectos dos fornos de cal e cimento; partida de um trem expresso da estação de Rodovalho para São Paulo; escritório da fábrica; residência do gerente da fábrica Rodovalho. A S.A. Votorantim não cuida somente do desenvolvimento da indústria brasileira, mas atua também na área imobiliária vendendo terrenos a prestações. São os seguintes os bairros fundados pela Votorantim: Brooklin Paulista, Vila Barcelona e Vila Califórnia em São Caetano; planta e vista geral do Brooklin Paulista, chegada do bonde ao Brooklin Paulista; diversos tipos de casas. Vista interna do grande escritório central de São Paulo; os empregados. Os diretores da S.A. Fábrica Votorantim Sr. Armando Pereira Inácio, Paulo Pereira Inácio, Zeferino Freitas Guimarães e Antonio de Oliveira Penteado. (Material examinado)

FICHA TÉCNICA: prd: Armando Pamplona; prod exe: -; dir e mtg: Armando Pamplon; fot e fcn: -; let: -; loc: São Paulo (SP); cpr e dis: Independência Filme; p&b, 35mm, 85min, gen: documentário.

ELENCO: Antonio Pereira Ignacio, João Reynaldo, Tarcísio Nascimento, Paulo Pereira Ignacio, Zeferino de Freitas Guimaraes, Antonio de Oliveira Penteado.

LANÇAMENTO: 1922 (data da filmagem) – 31/12/1922 – data atribuída para uso no catálogo geral.

PRÊMIOS: Prêmio Margarita de Prata

COMENTÁRIOS: O filme teve como locação os locais: Votorantim; Sorocaba, São Caetano do Sul

FONTE: CINEMATECA BRASILEIRA (acesse aqui

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

CINEMATECA POPULAR BRASILEIRA

Filmografias & Cronologias

NO PAÍS DAS AMAZONAS, 1922, Manaus, AM.

SOBRE O FILME

 

SINOPSE: Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

FICHA TÉCNICA: prd: Joaquim Gonçalves de Araújo; dir e mtg: Silvino Santos e Agesilau de Araújo; fot e fcn: Silvino Santos; let: Agesilau de Araújo e Dr. Alfredo da Matta; loc: Manaus, Rio Madeira, Rio Purus, Ayapoá, Maués (AM); Porto Velho, Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e Rio Branco (RO); cpr e dis: J.G. Araújo Produções Cinematográficas; p&b, 35mm, 72 min, gen: documentário.

COMENTÁRIOS: Único filme premiado com a medalha de ouro na Exposição do Centenário; em Maceió foi exibido com o título Terra das Amazonas; a vida do pioneiro cineasta Silvino Santos (1886-1970) foi retratada no filme O cineasta da selva, 1997, de Aurélio Michiles, onde cenas deste raro filme podem ser vistas.

PRÊMIOS: Medalha de Ouro na Exposição do Centenário da Independência, RJ, 1923. (fop: d-20)

FONTE: DICIONÁRIO DE FILMES BRASILEIROS – Antônio Leão da Silva Neto

 

 

SITUAÇÃO DO FILME: EM DOMÍNIO PÚBLICO

O  filme No Paiz das Amazonas entrou em domínio publico em 01/01/1993, conforme lei de direitos autorais no Brasil que estabelece que passados 70 anos de sua primeira exibição pública, a obra cinematográfica entra em domínio público no primeiro dia do ano seguinte. Conforme recorte abaixo o filme teve seu lançamento registrado em anúncio de exibição publicado em 05/12/1922 no Jornal do Commercio (AM).

Domínio público é uma condição jurídica na qual uma obra não possui o elemento do direito real ou de propriedade que tem o direito autoral, não havendo, assim, restrição de uso de uma obra por qualquer um que queira utilizá-la.

HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA

Notícias sobre o filme publicadas nos jornais disponíveis na Biblioteca Nacional.

Seleção de matérias sobre o filme, clique no link, procure na página o título da matéria listado abaixo.

Esta cronologia não contém todo o conteúdo disponibilizado nos jornais. Em caso de necessidade de mais informações, consulte a Hemeroteca Digital Brasileira e boa pesquisa.

DIRETOR

Silvino Simões dos Santos Silva, em arte mais conhecido como Silvino Santos, foi um cineasta, diretor de fotografia e produtor de cinema nascido em Sernache do Bonjardim, em Beira Baixa, Portugal, no dia 29 de novembro de 1886.

O pai era um comerciante bem-sucedido, mas o jovem Silvino interessava-se mesmo por reportagens sobre o Rio Amazonas que lia. Com uma família amiga, o português de 13 anos, Silvino Santoscruza o Atlântico e chega ao Brasil em 1899, na passagem do século, em busca daquela Amazônia fantástica imaginada pelos europeus, para morar em Belém (PA). Ele viveria a sua aventura amazônica contracenando com as grandes personalidades daquele período do fausto da borracha, testemunhando acontecimentos marcantes como a chegada do cinema à Amazônia, a Revolução Tenentista e a criação da Comuna de Manaus. Mais que presenciar os momentos históricos, Silvino fotografou e filmou essa Amazônia que não existe mais.

Para ler a biografia completa acesse o site História do Cinema Brasileiro.

 

FILMOGRAFIA

Playlist do Diretor com os filmes disponibilizados no Youtube.

Documentário sobre Silvino Santos

CINEMA BRASILEIRO EM UM CLIQUE

A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002) de Antônio Leão da Silva Neto e os catálogos da ANCINE a partir de 2003. Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais. As playlists podem ser consultadas por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas organizadas pelo canal. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação, cultura e direitos humanos.

No acervo da Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos atualmente mais de 40% dos filmes nacionais de longa metragem produzidos nestes mais de 100 anos de cinema brasileiro. Dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, ao menos uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal.

ESCLARECIMENTO SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS

A Cinemateca Popular Brasileira em conformidade com a legislação de direitos autorais, só publica em seu canal do Youtube filmes em domínio público ou autorizados pelos detentores do direito autoral, deste modo, os filmes postados em outros canais, que não estejam nesta condição, não são de nossa responsabilidade. 

A relação do portal com os filmes postados por terceiros que aparecem em nossos catálogos e que não estão em domínio público, é estabelecida através de links entre nossas playlist e a página do filme postado em canal de terceiros, cujos responsáveis não possuem nenhum vínculo com o trabalho que realizamos. 

Estes filmes  aparecem em nosso portal e canal do Youtube, enquanto o link de acesso estiver disponível no canal de origem. Caso o link esteja quebrado, o filme não aparecerá em nossas páginas. Só reaparecerá, a medida que outros usuários do Youtube disponibilizem o filme em seus canais e os links sejam trocados durante as manutenções periódicas.

Para mais informações e dados estatísticos consulte nossa política do acervo.

DADOS ESTATÍSTICOS DO PROGRAMA

Filmes reunidos em nosso acervo, através do monitoramento da circulação do cinema brasileiro no Youtube.

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Catálogo Geral

Braza Dormida (Humberto Mauro 1928) – Drama

O jovem Luís Soares é mandado para o Rio de Janeiro pelo pai industrial, para estudar. Na cidade grande, Luís gasta toda a mesada e abandona os estudos. Consegue emprego como gerente de uma usina no interior e se apaixona pela filha do proprietário. Enciumado, o ex-gerente escreve cartas anônimas ao dono da usina revelando o namoro de sua filha com Luís. Não querendo o casamento, o pai afasta a filha da usina, mas, durante uma festa, os dois se apaixonam de novo. Enquanto acontece a festa, o ex-gerente joga uma bomba na usina e, quando Luís retorna, entram em luta corporal, caindo o ex-gerente num bujão de melado fervente, onde morre. Percebendo a integridade e as boas intenções do rapaz, o proprietário finalmente permite o casamento dos dois.

Canção da Primavera (Igino Bonfioli 1923) – Aventura

Quando da morte de seu pai, Luiz Roldão jurou unir pelo casamento a família de Bento (melhor amigo de seu pai) e a sua. A família de Luiz Roldão, um fazendeiro severo mas bom, a mulher Brites (sempre às voltas com os criados), a filha Lili, o filho Jorge, a afilhada Lina (neta do velho Luiz), a irmã Salustiana. Para satisfazer a promessa feita, Jorge está, contra a vontade, noivo de Rosita, filha do compadre Bento. Salustiana namora com o barbeiro Juca, o que provoca a ira de Roldão. Rosita não ama o noivo, orientada pelo padre Belisário, resolve partir da cidade. Mas, após muitas reviravoltas, tudo se resolve, com o casamento de Jorge e Lina.

No Paiz das Amazonas (Joaquim Gonçalves de Araújo e Silvino Santos 1922) – Documentário

Documentário sobre a Amazônia produzido para exibição na exposição comemorativa do Centenário da Independência. O filme mostra a cidade de Manaus, os grandes lagos amazônicos, a pesca do peixe-boi e do pirarucu, os seringueiros e o preparo do látex, os índios, a vida rústica do nosso sertanejo, a estrada Madeira-Mamoré, o preparo do guaraná. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas.

CINEMA BRASILEIRO

NUM CLIQUE

 

DIRETORES E DIRETORAS

METRAGENS

Longa   Média   Curta

FONTES

 Dicionário de Filmes Brasileiros - Antonio Leão da Silva Neto (1908-2002)

Dicionário de Filmes Brasileiros (1908-2002)

Catálogos (2002-Hoje)

ACERVO DE FILMES RECOLHIDOS

Localidades em que os filmes foram rodados

Rede de Acesso Local (em estudo)

CINECLUBE

Projeto em estudo.

Criação de um servidor de filmes nacionais.